Wolvserpent - Aporia​:​Kāla​:​Ananta


Não será descabido escrever que Wolvserpent continuam a ser uma das forças mais interessantes dentro do atual panorama USBM.
O material criado pela dupla de Idaho até hoje fala por si e continua a ser uma inspiração para muitos outros projetos e mesmo sem aquela ajudinha preciosa que outros nomes vão obtendo por parte dos Media, o casal Brittany/Blake conseguiu afirmar-se e transformar Wolvserpent (nascidos das cinzas de Pussygut) num dos nomes mais refrescantes do estilo e uma das bandas mais intensas que se podem presenciar ao vivo, aliás a atuação da banda no Amplifest continua a estar no meu top de concertos até hoje.
Mas apesar de tudo o novo ep soa algo fechado em si mesmo, isto para quem tomar conhecimento com a banda a partir deste lançamento e certamente se não tiver alguma bagagem sonora vai achar o registo algo preso numa monotonia que parece perdida no meio de varios estilos.
É certo e sabido que esta é uma das principais caracteristicas da banda já que a mistura de sons sempre esteve presente mas não tão viva como o que se ouve nesta longa e unica faixa, talvez isso se deva á quantidade de projetos em que a dupla se foi envolvendo ao longo dos anos sejam eles de sonoridade mais classica (literalmente falando) por parte da Brittany, ou em sonoridades mais negras como Aelter ou Il'Ilthil por parte do Blake, depois se ainda juntarmos Mezektet ou o cadaver de Pussygut obtemos então o estado atual de Wolvserpent ou seja um caldeirão de estilos, sons e ambientes quase ritualistas que sejamos sinceros não é de facil digestão nem de escuta facil, embora quando se consegue assimilar todo este universo se tenha então o que escrevi inicialmente no primeiro paragrafo, mas chegar até lá não é muito facil e este ep não torna as coisas fáceis.
Na minha opinião este ep pouco ou nada acrescenta ao que banda tem feito até aqui, não que isto seja mau, mas sinceramente esperava algo mais proximo do Perigaea Antahkarana e não tão vá lá experimental, mas mesmo assim é um registo digno e que deixa algumas ideias para se explorarem num futuro proximo.

Sem comentários: