Premonições: Mitochondrion|Gyibaaw split


O novo album de Mitochondrion (Parasignosis) absolutamente fantastico!

Vou falar dele nos proximos dias (hoje não rodou mais nada por aqui), mas entretanto o split Mitochondrion|Gyibaaw Rituals of Transcendence / Liimk Halaayt , sai hoje oficialmente na Siege Engine Records.
Podem comprar no blog da S.E.R. por 10 usd, clicando no link em cima.
Deixo aqui a lista dos temas:
Track 1 is collaborative track between Mitochondrion and Gyibaaw.
Tracks 2, 4, 6, 8 by Mitochondrion.
Tracks 3, 5, 7 by Gyibaaw.

Additional notes:
Mitochondrion tracks:
Track 2 - rerecording of demo track
Track 4 - new song from the upcoming album "Parasignosis"

Gyibaaw tracks:
Tracks 3 and 5 - new songs
Track 7 - cover of Drudkh with N. Yanchuk on voice/mandolin
1. Rituals of Transcendence/Liimk Halaayt
2. Through Cosmic Gaze
3. Nalaxyuubm Wil Waal Wilduu
4. Trials
5. Iɫeh Tsimshian
6. Totality (Rites of Thy Degringolade cover)
7. Furrows of the Gods (Drudkh cover)
8. Imperial Hymn for Our Master Satan (Inquisition cover)

Medicamentos



Ehnahre-Taming the Cannibals, sem duvida um dos albuns mais "á frente" de 2010, com pessoal de Kayo Dot e Maudlin of the Well..
Deathspell Omega-Paracletus, digipak para completar as edições do album.
Arkhon Infaustus-Orthodoxyn (Rare limited edition A5 Digibook edition featuring expanded artwork and layout)....muito, interessante o livro, muito mesmo!

Premonições: Cult of Luna


"As a small Christmas gift, here’s a short film from a writing session this month. This is what we do now, write new material for an album."

Premonições: Reedições Blut Aus Nord



"Considered by many to be the band's greatest work, BLUT AUS NORD's "The Mystical Beast Of Rebellion" marked a crucial transition from the French enigma's Black Metal genesis toward a discordant, forward-thinking future. Originally released in 2001, "The Mystical Beast Of Rebellion" surges with hypnotic fury, inducing trance-like states through increasingly dissonant riffing. Now buttressed by an entire bonus CD/LP's worth of new material (that slows proceedings to a murky crawl), BLUT AUS NORD's "The Mystical Beast Of Rebellion" has become an even taller monolith of obsidian dread. With this reissue, BLUT AUS NORD consummates the original work, delving deeper into the abyss first entered almost a decade ago. Three new songs have been written - "The Fall (Chapter 7, 7 and... 7)" - comprising an exclusive new album that plots a divergent path to the same destination. In conjunction with the brutal, hypnotic minimalism of the first six chapters, these crawling, cavernous pieces give the masterpiece a more wholesome dimension. In line with the defiant mindset of today, the second part of this release sees the band try new things, writing the thickest track of their history: a painful progression subtly roaring over 19 oppressing minutes. In order to establish an equilibrium, every artist should be afforded an opportunity to showcase the antithesis of his work. With this surprising reissue, BLUT AUS NORD takes up the mantle and presents "The Mystical Beast Of Rebellion" in an intriguing new light."

Comprei uma das 250 copias da reedição limitada em vinyl e este não me interessa (por enquanto, até porque tenho a edição original do album), mas se alguem estiver interessado no digipak + t-shirt a Debemur Morti está vender os dois artigos (pré-order) por 25 euros com portes pagos até dia 31 de dezembro deste ano...a data de saida oficial é 17 janeiro..

Medicamentos


Antediluvian-Watchers Reign

Medicamentos




Ondskapt-Arisen From The Ashes...Lp limitado a 300 copias.
Castevet-Stones/Salts 7´ limitado a 300 copias
Bongripper-Satan Worshipping Doom, digipak limitado a 500 copias (edição da UT|Feretro Records)

Premonições: Ascension


Dia 24 de Dezembro, atraves da WTC e em formato digipak e LP..
Temas:
Open Hearts
Grey Light Sibling
Rebellion Flesh
Grant Me Light
Fire And Faith
Amok
Angel Of The Burning Sun
Consolamentum

Depois dos excelentes ep´s Fire and Faith e With Burning Tongues, os misteriosos alemães preparam-se para dominar!
Literalmente.
Fica aqui uma das faixas do album...

Premonições: Corpsessed


"Corpsessed was spawned from putrescent slime in 2007, after the dissolution of an earlier project Skullfucker... The vocalist Niko Matilainen (Skullfucker), guitarist Matti Mäkelä (Tyranny, Wormphlegm) and drummer Jussi-Pekka Manner (Skullfucker, Pohjoinen Kuri) were joined by the guitarist Jyri Lustig (Cardinals Folly) and (de)composing of morbid death metal tunes began at the rotting houses of Järvenpää delta-area...
The group's original bassplayer Mikko Mäkelä disappeared in unknown circumstances, but was replaced later in 2009 by Mikko Pöllä (Azure).
Corpsessed are at the moment recording their nauseating aura into audial form... a demo or miniCD is soon to be unleashed! We are also searching for other likeminded bands to share gigs with us... get in contact."


"We have completed the recordings and mixing of our first release so everything is looking fine on the audial part.

The tentative tracklist is as follows:
1. Intro [3:06]
2. Crypt Infester [4:28]
3. Nameless Cult [2:36]
4. Altar of Worms [4:48]
5. Massgrave [5:15]
6. The Dagger and the Chalice [3:17]"

http://www.myspace.com/corpsessed

O Alex Brown ("http://www.badnewsbrown.blogspot.com/") de Witchrist será em principio o responsavel pelo artwork...
Fica aqui um o primeiro e excelente avanço para este ep:
http://www.mediafire.com/?m9xiqmfzh1im5a6 (Altar of Worms.mp3)

Premonições: Mitochondrion OUT NOW


Estava previsto para Janeiro mas já podem comprar aqui, antes de chegar a algumas lojas:
http://www.profoundlorerecords.com//index.php?option=com_ezcatalog&task=viewcategory&id=2&Itemid=99999999

Amia Venera Landscape-The Long Procession


Os italianos Amia Venera Landscape vem ocupar o espaço deixado pelos The Secret, agora que estes ultimos se tornaram numa arma quase letal e deixaram um pouco de lado os ambientes mais viajantes esta jovem banda assume-se como uma das mais interessantes propostas da atual cena italiana no que ás novas tendencias extremas diz respeito.
O album é sem duvida uma autentica viagem que percorre os mais variados caminhos sejam eles mais virados para o Post-Hardcore ou não.
Muitos sentiram-se um pouco desiludidos com o novo rumo de The Ocean (eu incluido), mas para toda esse minoria tem aqui um tesouro pronto a ser explorado, já que segue um pouco o atual caminho da banda alemã.
Desde as vocalizações mais normais até ao lado mais berrante, este album acaba por se tornar numa bastante agradavel surpresa e sem duvida irá algum impacto dentro deste pseudo-movimento, isto se percorrer o seu caminho sem grandes sobresaltos.
Ao falar em Post-Hardcore, acabam por existir duas referencias que por aqui são incontornaveis, os suecos Cult of Luna (da primeira fase) e os franceses Celeste.
O que se ouve neste "The Long Procession" é quase um apanhado desses dois nomes embora sem o toque mais malefico de Celeste e sem o lado mais negro de Cult of Luna, já que AVL explora mais os encantos planantes deste movimento, caindo em diversas situações numa espiral de explosões sonoras que deixariam muita banda lider do movimento de boca aberta.
Exemplos, aqui existem varios desde o catastrofico choque sismico que dá pelo nome de "Empire" até ao autentico devaneio musical que percorre os 14 minutos da imensa e poderosa "Marasm", que de marasmo nada tem.
Piano, samples, descargas furiosas de Post-Core, vocalizações duplas carregadas de alma conseguem arrancar um pouco do nosso interior e levar-nos até ás paisagens da estranha capa.
Por falar nisso gosto imenso da foto, é estranhamente enigmatica e parece ir buscar um pouco o universo criado na serie "Flashforward"...verdade ou não é uma das capas mais interessantes que vi nas ultimas semanas.
Portanto se gostam de boa musica, daquela mais atual que tem como base o Post-qualquer, epah não deixem de escutar este album, é realmente muito bom e mesmo que estranhem aquela voz quase "emo" que por ali vão apanhar algumas vezes vão ver que isso é apenas um mero fator que apenas requer de algumas escutas..
Recomendado.
http://rapidshare.com/#!download|51cg2|436019252|AVL-TLP.7z|129967
Fica aqui a monumental "Marasm" para ficarem com uma ideia do que isto é:

Premonições: Neurosis



Creio que se chama "Three Wise Chords" e é uma musica nova de Neurosis, tocada pela primeira vez em Londres no passado dia 6 de Dezembro.
Especial agradecimento ao Pedro Mendes, pela partilha do video..

Medicamentos





Ascension-Fire And Faith 12´limitado a 300 (red vinyl)...epah FODA-SE!
Blut Aus Nord-Ultima Thulée, reedição em vinil da Debemur Morti Productions, limitada a 250 copias.
Blut Aus Nord-The Mystical Beast of Rebellion, reedição em vinil da Debemur Morti Productions, limitada a 250 copias.
Dodsengel-Mirium Occultum, absolutamente fascinante este album.
Archon-The Ruins At Dusk, uma das belas surpresas deste ano.

Dødsengel-Mirium Occultum


Já alguma vez se sentiram consumidos interiormente pela musica que estão a ouvir?
Pode soar a cliché, mas existem certos albuns que o conseguem fazer de uma forma bem macabra.
Um bom exemplo desse bizarro estado espiritual é o segundo album dos noruegueses Dødsengel, album esse que arriscaria a considerar como talvez o melhor e mais completo registo de BM feito da fase pos-SMRC de DsO.
Poderá parecer demasiado arriscado fazer uma consideração deste tipo, ainda mais nos dias de hoje onde tudo se vai transformando e desfazendo como pó, para depois se levantar passado uns tempos em figuras macabramente aterradoras, mas sou mesmo da opinião que este "Mirium Occultum" é mesmo uma obra de arte que louva de uma forma quase natural o lado mais negro da musica e do espiritualismo.
Espiritualismo, esse que se tornou numa das seivas mais acidas saidas dos ramos da arvore enforcadora do BM.

Aquilo que Dødsengel nos dá, é um apanhado, um apanhado num formato psiquico daquilo que consiste a alma do verdadeiro BM, se é que alguem ainda sabe o que é ou no que consiste..
Não se trata de um album na linha da atual e por vezes interessante veia Post nem pega no lado mais Trve, alias o que se ouve aqui ultrapassa mesmo os meros adjetivos ou rotulos que se poderão usar para descrever o atual ou o antigo BM.
Falei aqui a tempos de um album de uma banda finlandesa que a editora descrevia como "BM adulto", pois bem, acho que o que este duo aqui desenvolve é isso mesmo..musica negra e inteligente, para mentes negras e sobretudo inteligentes, porque a forma como conseguem dissolver os conceitos de Satanismo, Ocultismo naquilo que vulgarmente chamamos musica é no minimo aterradora.
Se conseguirem entrar no espirito da musica ou arte (como quiserem definir) que vão ouvir ao longo da proxima hora, irão ser transportados e elevados até a presença de um dos mais brilhantes albuns de Black-Metal criados pela mente humana até hoje.
Musicalmente perfeito, seja na forma como se consegue captar a aura inicial de bandas como DarkThrone seja nos momentos mais a puxar para a dissonancia criada por DsO, já para não falar nos assustadores e enigmaticos versos saidos das goelas do vocalista Kark, que aqui tem um papel realmente demoniaco (literalmente).
Acaba por ser verdadeiramente fascinante partir e deixar-nos envolver no meio deste universo criado por Dødsengel, e onde podemos usar a terminologia "o BM é mais que simples musica", porque bem vistas as coisas quando se está perante um album desta magnitude tudo ganha novos e surreais contornos tanto mentais como de espirituais, já que o jogo demencia vs ocultismo não só nos enche a alma como nos enfia uma faca no meio do coração e nos faz acender de novo aquela chama interior..que nos vai fazendo olhar com outros olhos a realidade em que vivemos.
A musica continua a ser uma das armas mais fortes do universo..não acreditam?
Então ouçam este "Mirium Occultum" na mais profunda escuridão e solidão..depois digam que não vos avisei!!
A "Palavra" é sagrada, o "Eco" é infinito e nós apenas meros mortais....
Não é só recomendado como obrigatorio.
http://www.mediafire.com/?zxw3emmniot

Chronocide-The Solitude of Man


Aqui á uns anos atrás o movimento inglês era uma autentica parodia..no mau sentido, mas ultimamente as coisas mudaram e muito..
Parece que Anaal Nathrakh andaram a esmurrar tudo e todos por terras de Sua Majestade e a prova disso é mais um projeto que fode bastante o legado criado pelo Mick, falo claro dos instaveis e letais Chronocide.
Com o selo de uma cada vez mais interessante FETO esta banda inglesa mostra aqui um dos albuns mais violentos e fodidos que vão ouvir durante esta quadra natalicia.
Musicalmente são um completo aborto de sonoridades extremas onde o lado caotico se une com o poder furioso e mortifero do Grind, originando belas musicas para ouvir na noite de natal e em familia.
Imaginem os Nasum a fazer O amor com Anaal Nathrakh, parece fofo, não parece?
Pois bem é isto que vão apanhar no lombo ao escutarem este "The Solitude Man".
Som bruto no sentido literal e onde são acrescentadas pelo meio umas pitadas de filhadaputisse samplista completamente mindfuck.
Um album violento e destrutivo como o raio, onde somos atirados contra a parede, e espancados sem dó nem piedade...
Não existe muito a dizer a não ser tentar curar as nodoas negras do corpo e sarar as feridas...mas isto doi...doi muito!!
Feio, violento, caotico, urbano, decadente e verdadeiramente filha da puta, que querem mais?
Crust?
Enfiem mas é isto pela goela abaixo!!!
http://hotfile.com/dl/88551035/f2c7ea4/chronocide-the-solitude-of-man-2010.rar.html

PS- a capa parece o outro lado do album de MISTRESS-THE GLORY BITCHES OF DOGHEAD..

Antichthon-Through the Rupture of Dimensions


Vindos da cidade de Coimbra os Antichthon, mostram finalmente o seu primeiro album, numa edição limitada de pouquissimos exemplares esta jovem banda mostra de uma forma bem clara áquilo que vem.
E se as primeiras impressões dadas ao longo do ultimo ano já demonstravam algumas boas ideias, elas aqui ganham realmente um peso e um carisma que acaba por surpreender.
Surpreende em varios sentidos, primeiro por serem um grupo bastante jovem, embora isto não seja algo que os deite abaixo, já conseguem criar um conjunto de musicas bastante interessantes e com as ideias no sitio ainda mais atendendo á idade das pessoas aqui envolvidas.
Enquadrados dentro do normalmente chamado BM sinfonico, aquilo que aqui nos presenteiam é nada mais que um louvor a alguns nomes seminais da decada de 90, onde o espirito fantastico vs cosmico, reinava.
De Emperor a SiriuS passando pelos ambientes mais orquestrófolcloricos de Dimmu Borgir, Antichthon faz uma retrospectiva daquilo que esteve na genese desses nomes seminais.
È certo que se notam ainda algumas arestas a limar em estudio, principalmente nas guitarras que aqui perdem um pouco a força que tem ao vivo, nalgumas partes vocais e no proprio som de estudio que requeria aqui uma produção mais potente já que o lado orquestral muita vez acaba por engolir o resto dos instrumentos, mas não deve ser facil encontrar estudios em Portugal que peguem neste tipo de constelação sonora e a transformem numa galaxia...
Numa opinião meramente pessoal este album gravado dentro de um estudio do tipo Grieghallen, ganharia um poder muito mais "espacial" e intenso, mas..
Mesmo assim estes jovens conseguem sacar uma identidade bastante propria, plena de momentos epicos (no bom sentido) que nos transportam um pouco para o lado mais fantastico e surreal de bandas como Bal-Sagoth ou até mesmo Cradle of Filth, isto sem deixarem de fora a melodia, seja ela vinda das excelentes orquestrações (muito interessantes ideias saidas da mente do João Dourado) sejam do lado mais violento em que a banda por vezes se envolve com bastante naturalidade, criando um mural sonoro onde o sinfonico se funde lado a lado com o mais extremo e sideral Metal de tendencias epicas e majestosas.
Destacaria o interessante trabalho lirico criado pelo vocalista Alex Magnus que mostra que nem só o lado mais instrumental foi objeto de atenção, já que as letras aqui expostas são criadas tambem com alguma complexidade acabando por ser um complemento bastante positivo ao som de Antichthon.
Tudo isto reunido transforma este "Through The Rapture of Dimensions" num dos albuns mais interessantes saidos este ano do movimento português, é certo que não estão dentro de nenhum kvlto e talvez por isso percam interesse por parte dos fans de musica extrema nacionais, mas para quê isso se a musica exposta pela banda os deixa falar por eles..
Se gostam dos nomes que falei ao longo do texto, certamente vão achar bastante interessante este registo, acredito que temos aqui uma das propostas mais interessantes atualmente no movimento português e com muito para dar..basta para isso seguirem os caminhos certos.
Recomendado.

Medicamentos









Por entre compras e ofertas...
Rhadamantys-Labyrinth of Thoughts
Vorkreist-Sublimation XXIXA, LP limitado a 500 copias
HADES-...Again Shall Be.., promo rara da FMP
Serpent Obscene-Serpent Obscene, LP, primeiro album desta banda de DM sueca.
Obfuscation-Swansongs 7´, ep raro desta banda finlandesa de DM.
Ligeia-In Death Overshadow Thee 7´, DM americano
Anapilis Dausos / Valefar- Split 7" , limitado a 500 copias
December-River of Blood 7´, limitado a 1000 copias

Premonições:DiabolicuM


Eles voltaram!!
Album no proximo ano e primeiro avanço!!!

Encontra mais artistas como DiabolicuM em Música do Myspace


Esta merda promete...aaargh!!

Medicamentos


Gravehammer-Ensnared in Dismal Blasphemies 7´
Dez minutos de puro prazer!!

Encoffination-Ritual Ascension Beyond Flesh


Sem qualquer duvida o album de estreia de Encoffination, foi o material mais denso, claustrofobico e mortificante que ouvi durante este ano.
Numa entrevista recente o vocalista Ghoat (que acumula funções noutras bandas como Father Befouled) definiu este registo como uma "conjunção de atmosferas que nos fazem sentir que estamos a morrer", apesar de parecer mais um cliché banal saido do movimento Death-Doom, o que o duo aqui nos oferece aproxima-se bastante a estado, já que o material aqui exposto parece saido de um estranho funeral de iniciações ritualisticas que buscam acima de tudo fazer com que o sangue pare, enquanto nos movemos lentamente ao ritmo de ecos funerarios saidos não se sabe bem de onde.
Inicialmente editado em tape e dividido em duas partes ou melhor duas negras invocações a envolvencia que o registo cria, consegue deixar-nos inicialmente imoveis mas depois divididos num estado que deambula pela catatonia como pela frieza dos temas.
Não sendo de escuta propriamente facil este "Ritual Ascension Beyond Flesh", trás até si ou melhor consegue invocar os monstros sagrados da genese do Doom dos anos 90 e desfigura-los num estranho ritual de proporções epicas e num sentido profundamente religioso.
Mencionado este aspeto acaba tambem por ser um dos pontos mais bem conseguidos por esta dupla ao longo da meia-hora que dura esta autentica procissão funeraria.
O som que parece saido de um labirinto de catacumbas, consegue até mesmo oferecer o venenoso eco que transmite a estranha ideia que a ás tantas a banda gravou isto num espaço tipo six feet under..
Com alguns samples adicionados ao longo das faixas onde o lado "penitencial e questional" vai provocando algumas navalhadas no som, cria um resultado que adensa ainda mais a atmosfera negra desta autentica obra-prima que certamente irá agradar a todos os fans do lado mais pessoal e fascinante da palavra Morte.
Fascínio, religiosidade envolvem-se com a palavra Morte, e isto num lado mais mental (ou psiquico) deixando de fora aquele tipico e banal destroçamento que ocorre muitas vezes no estilo, já que a abordagem que aqui se faz é algo que mais se aproxima a um estado de invocação perante a unica coisa que temos certa na puta da vida ao invés de a retratar como algo horroroso e intocavel.
Lembram-me a dadas alturas a forma como uma banda como Subvertio Deus aplicou e transformou o conceito do Black-Death e lhes conferiu uma tonalidade tão fascinante quando envolvente.
Um album absolutamente intocavel em todos os sentidos e a obra mais grandiosa de Death-Doom editada este ano.
Deitem-se e deixem-se morrer um pouco...
http://www.mediafire.com/?gjtfjfynl3i

Intronaut-Valley of Smoke


Parece que foi á terceira que Intronaut acertou.
Confesso que nunca fui grande fan dos trabalhos anteriores desta banda norte americana, não que fossem maus, mas na minha opinião acho que faltava sempre alguma coisa mais ao som.
O novo "Valley of Smoke", parece vir mudar ligeiramente as coisas porque trata-se realmente de um album de proporções epicas bem intensas e com algumas cartadas bem inteligentes.
Desde logo a ligeira novidade no som, onde o groove meio jazzistico e o ambiente algo Post-Rock encaixam muito bem no lado mais progressivo do quarteto como se Mastodon se fundissem com Cynic e Isis numa só entidade que vai explodindo á medida que o album percorre os nossos sentidos..
Estranho mas real, a banda não se limita apenas a descarregar aquela pseudo-furia dos primordios, aqui coloca-a um pouco de lado e aprofunda a sensibilidade musical como nunca fizeram ate aqui.
Naturalmente bastante complexo, alias não se poderia esperar outra coisa quando se menciona Cynic,Isis ou Mastodon nas influencias, o album é de uma beleza provocante e profundamente bem estruturado como se estivessemos a montar (neste caso ouvir) um puzzle, onde todas as peças vão encaixando de uma forma quase natural.
Não se torna aborrecido, como poderá parecer á primeira, alias antes pelo contrario, acaba por ser bastante delicioso escutar estes 50 minutos de musica que percorre muita coisa e abraça muitas outras.
Talvez não seja um album indicado para quem procura força mais organica já que aqui as coisas andam mais a planar num nivel mais mental e introspetivo que outra coisa, soando calminhas e plenas de envolvencia musical por vezes mostrando uns Tool ali a assombrar aquelas notas.
Alias não será de estranhar porque este album conta com a participação do Justin num dos temas, o que só por si revela que isto não será algo banal, se é que me entendem, porque de facto não o é.
Uma excelente proposta se gostam das bandas que mencionei no texto ou se se interessam pelo lado mais Post-Prog da musica atual, impressiona a dadas alturas e torna-se bastante cativante principalmente no uso que dão ao Baixo e na forma como a bateria vai acompanhando cada nota expressiva saida dos restantes intrumentos, escutem o autentico devaneio musical que é a faixa titulo com atenção e depois vejam se não tenho razão.
Para descobrirem sem medo, requer algum tempo e atenção, mas isto é material excelente mesmo e deixo aqui um dos momentos mais altos do album.
http://www.mediafire.com/?nayca1i2jygqd71

Ossarivm-Emanation Ep



Um dos projetos que mais gostei de ouvir nos ultimos tempos foi esta banda.
De nome Ossarivm, são uma one-band portuguesa vinda da "Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta" cidade do Porto.
Este primeiro registo é um curto ep de três faixas de DM, totalmente gerado e criado dentro da prespetiva mais obscura do estilo e seguindo o lado mais estranho e letal do movimento atual.
Ao longo das faixas somos enviados para uma tempestade turbulenta de espirais saidas do lado mais maquiavelico do Doom Cult neo-zelandês como totalmente enforcados de uma forma ritualistica nos ramos de uma arvore bem seca que lembra os ambientes mais perversos de uns Portal (era inicial)..
Apesar de lhe faltar por vezes um som mais sufocamente e mais organico os temas aqui mostrados são bastante interessantes, sendo que o lado mais ambiental ou industrial (se quiserem) aqui desenvolvido se assume como uma nefasta e empolgante cavalgada por entre um estranho reino de tonalidades bem negras e assustadoras que transformam o DM de Ossarivm numa das melhores coisas que atualmente se podem encontrar dentro do DM português.
È certo que tambem não existem muitas bandas por cá a explorar este tipo de sonoridade mais atual (ou não), mas a forma honesta como a criatura por detrás deste monstro se diverte nestas criações é algo que merece respeito e acima de tudo alguma atenção para o futuro.
Talvez a melhor coisa que ouvi este ano dentro do movimento extremo nacional.
http://latrinadochifrudo.tumblr.com/post/1524015519



Benighted in Sodom-Laura Palmer Ep


Benighted in Sodom são uma banda estranha!
Estranhos não porque sejam uma entidade vinda de um qualquer culto obscuro ao lado esquerdo ou algo do genero.
São bizarros porque durante este ano lancaram nada mais nada menos que 11 titulos, sim leram bem 11 titulos divididos por entre albuns e eps, mas mesmo assim ainda longe dos russos Senmuth que só este ano editaram 26 albuns (?!).
Para ser sincero não conheço muito acerca destes Benighted in Sodom, apenas sei que são americanos vindos do estado da Florida.
Neste ep dedicado ao universo David Lynch tal como o nome indica, aquilo que o duo faz é pegar nos desoladores arranjos criados pelo Angelo Badalamenti e transforma-los numa obra de 15 minutos completamente surreal, já que o ambiente é puxado para o lado mais shoegaze ambient BM, se conhecem e acredito que sim talvez consigam já ter uma ideia daquilo que aqui vão ouvir.
Apesar de ser um passo arriscado, porque aquilo que o Badalamenti criou para aquela serie é intocavel em todos os sentidos, a banda consegue sair por cima e dar um toque bem interessante e agradavel áquelas tonalidades gelidas vindas da pacata vila imaginada pelo Lynch e Mark Frost.
Musicalmente os arranjos baseiam-se em pequenos trechos musicais da banda sonora, sendo que aqui levam a tal envolvencia mais abrasiva do lado mais extremo do Post-BM.
Seja na parte final onde o som se transforma numa especie de BaN meets Badalementi como em espasmos mais sufocantes que quase lembram o universo dos miticos The Angelic Process, na forma como usavam a murralha de som.
Sem duvida um ep muitissimo interessante, sejam fans da serie ou não, vale a pena dar uma escuta a esta pequena obra de arte...
Agora daqui para a frente vou tentar descobrir o resto do som criado pela mentes destas personagens, Matron Thorn e o G. ,acerca deste ultimo e em jeito de curiosidade está presente tambem no novo projeto de Glorior Belli -11 as in Adversaries-.
Recomendado.
http://www.mediafire.com/?ziwc1l6oa8ak679
Fica aqui o tema..

Medicamentos





Ossarivm-Emanation ep...absolutamente fantastica a estreia desta banda vinda dos confins...de algo muito estranho!
Rorcal-Heliogabalus, vai estar sem duvida no meu top deste ano o novo album dos suiços Rorcal, aquilo que observam é a copia #84 da edição limitada do album (500 copias)...encarte muito giro diga-se.
Rorcal-Myrra, Mordvynn, Marayaa, veio de arrasto com o HLGBLS, não tão poderoso quanto o ultimo mas ouve-se na boa.
The Birthday Massacre-Show And Tell, album ao vivo gravado em Hamburgo..gosto imenso disto!

Archon-The Ruins At Dusk


Uma enorme surpresa o primeiro album de Archon.
Depois da muito boa demo "Evocation" de 08 esta jovem banda nova-iorquina mostra agora o quanto evoluiu nos ultimos 2|3 anos.
Mesmo dentro da corrente atual do Sludge Doom, Archon não embarcam no lote de apenas mais uns, conseguem criar uma obra que tanto tem de monumental como de fascinante.
Dessa demo ressurgem aqui novas gravações para os dois temas que fizeram parte dessa apresentação, embora aqui com novos arranjos e um ambiente ainda mais destrutivo que as gravações originais de 08.
As quatro longas faixas, prefazem uma hora de devaneios Post-Sludge-Doom daqueles que tanto conseguem criar um afogamento sonoro como uma libertação mais divagante e sempre com o peso do RIFF a ditar as regras.
Como se Salome se fundissem com THOU numa so banda, alias neste aspeto as vocalizações ou melhor contraste entre elas consegue mesmo criar um efeito bem diferente e interessante o som criado por Archon, já que tanto a voz da Rachel como a do Chris resultam bastante bem, confiram a "Nature is Satan Church" só mesmo a titulo de exemplo.
Nesta a tonalidade algo divagante vai desde Thorr´s Hammer até ao peso megalitico de Cough, o que só por si é mais que um bom sinal, e mais conseguem mexer os botões certos..
Para além disto convem escrever que a forma como o temas são construidos tambem tem o seu quê de interesse, já que existe muito psicadelismo e muita envolvencia na forma como as notas serpenteiam ao longo das faixas, sejam em passagens mais sulistas ou em enfeites quase á Electric Wizard, embora isto com as devidas distancias se é que me entendem.
Um bom exemplo disto mesmo é a longaaaaa musica (21 minutos) "The Fate of Gods" que comeca numa toada bem Electro-psico-Doom, girando e enfeitiçando tudo á volta, para depois mais parte se transformar num monstro vindo dos mais lamacentos pantanos de Nova-Orleães.
Um album bastante interessante e algo diferente do que se vai fazendo neste estilo atualmente, já que misturam muita coisa, têm boas referencias e acima de tudo sabem jogar as cartas certas no jogo do Post-Doom-Sludge atual sem com isso ferirem a sensibilidade de ninguem já que as influencias aqui retratadas são engolidas e de novo expelidas com novas texturas, mas seguindo os ensinamentos mais "respeitaveis" dos varios estilos por eles copiados.
Sem duvida alguma um berro bem alto e cheio de força para mostrar a quem tem achado que o estilo começa a dar sinais de cansaço....afinal até não!
Recomendado.
http://www.mediafire.com/?h4eencknut74rvf
Ou podem ouvir aqui:
http://archondoom.com/

Portal-Larvae (Video)


"Domus Lacunae
Meta Matriculant
Theta Genus
Fait Accompli

OcturKnell Unfurl
Husks of Hearths Litter
Inquilines Dither

Pupa To Pupils
Pupa To Pupils
Pupa To Pupils
Pupa To Pupils

Olde Guarde Dipteran Order
Spheres Flous Prod To The Marrow
Fly Anointment Prey Eclipsed

Pupils To Master
Pupils To Master
Pupils To Master
Pupils To Master

Olde Guarde Dipterous
Olde Guarde Dipterous
Olde Guarde Dipterous"

Roareth-Acts I-VI


Depois do magnifico album de Rorcal, surge por aqui mais uma banda pronta a mover os alicerces do atual movimento Post-Sludge e mexer um bocado com a nossa cabecinha, ou por outras palavras mais musicais, juntam o poder do drone mais ambiental com descargas de Sludge bem extremo.
Bem, não direi extremo ao ponto de uns Argentinum Astrum, nem de uns Overmars, mas a linha é um pouco a mesma embora aqui este quinteto americano pegue mais no legado mais basico do Doom e lhe adicione texturas mais atuais, ligeiramente mais progressivas e um pouco mais planantes, como se uma banda como Ketea ou Lesbian chocasse de frente Grief e depois lhes caísse em cima uma trovoada de EHG ou algo parecido..
Som duro e muito á base das guitarras e amplificadores onde se vão envolvendo diversos samples e sons que vão desde o feedback mais arrastado até ao dissonante som de violino, mostrando que aquilo que Roareth aqui nos oferece é uma autentica jornada por entre electrizantes pontes mentais e devaneios musicais que ora entram no lado mais divagante do Post como de seguida nos atiram sem dó nem piedade para uma espiral bem lamacenta de Sludge|Doom, gerando um estado de alma bem interessante para se ir acompanhado ao longo de uma hora de experiências laboratoriais bem pesadas e agrestes.
Musicalmente a banda é bem acima da media, já que os seus elementos conseguem criar e estando cada um no seu sitio, um som bem cheio e poderoso, embora não seja original (é certo) consegue cativar deste o primeiro minuto até ao ultimo segundo deste trabalho, sendo que a forma como conseguem subjugar os mais variados estilos musicais e lhes dar um toque pessoal é algo assumidamente bem conseguido.
Desolador sobretudo nas paisagens mais ((vibrantes)) mas ao mesmo tempo tempestuoso no lado mais agressivo, este unico tema é de facto um vendaval de excelência pelo meio daquilo que de melhor se vai fazendo dentro deste estilo musical e uma das coisas mais bem conseguidas que ouvi nas ultimas semanas do genero.
Mesmo sem o lado mais caotico que muita vez se associa a este estilo (e onde muitos por vezes se perdem), a banda consegue que as texturas mais naturalistas se envolvam e enquadrem no quadro que conseguem pintar ao longo destes Actos, tornando-as tão sufocantes quanto libertadoras.
Pode parecer um contra-senso usar tudo isto, mas se querem tirar conclusões escutem e sintam o vosso corpo a ser levado pelo vento deixando-vos á beira de um precipicio...para de seguida serem engolidos por um eletrizante tornado!
Uma excelente surpresa sem duvida!
http://www.mediafire.com/?ockmucy01h6wmw3

Borgne-Entraves de l'Ame


Tem sido bastante agradavel assistir ao crescimento dos suiços Borgne e se o anterior "IV" foi um album que rodou com alguma regularidade por estes lados este novo "Entraves de l'Ame" tem tudo para rodar ainda mais, já que é sem sobra de duvida o seu trabalho mais completo e cosmico desta nova fase de Borgne.
Aqueles ambientes orquestrais que o projeto começou a usar mais no ultimo album aqui ganham um esplendor absolutamente incrivel, acabando por transformar os temas numa viagem noturna digna de destaque e onde a abrasiva crueldade dos temas encaixam de uma forma que nos eleva para o lado mais cosmico da musica.
De uma majestosidade que vagueia entre DarkSpace, e os melhores momentos do passado de Lunar Aurora, Emperor (da fase ITNSE) ou Limbonic Art.
Borgne e o seu criador demonstram aquilo ao que vêm e naquilo que se tornaram nestes ultimos anos...um projeto realmente imparavel e uma das bandas mais interessantes dentro dos dominios mais espaciais da musica extrema.
Não será ao acaso que o lider Bornyhake (mais um português a dar cartas tal como o pessoal de Rorcal) se une aqui ao Malefic dos miticos Xasthur e ao Christoph Ziegler de Vinterriket (que acabam por ser duas peças essenciais na criação deste "Entraves de l'Ame ") para a construção desta magnifica obra de arte extrema.
O som complexo e extremo é engolido pela imensidão profunda saida das orquestrações quer sejam elas tocadas á velocidade da luz quer se transformem numa viagem fantasmagorica por entre a floresta numa noite escura..
Alias a forma como se consegue unir estes dois aspetos é um dos pontos mais altos e fascinantes aqui presentes, já que a escuta deste album se vai tornando com o tempo numa jornada que mistura o lado belo da cosmologia com o lado mais profundo da natureza no seu sentido mais "ecologico", gerando uma viagem epica, fantastica e quase catatonica por entre tudo aquilo que rodeia o nosso ser, deixando-nos num estado que mais se aproxima do transe do que outra coisa qualquer...um pouco como fazem os alienigenas DarkSpace, embora Borgne sejam mais soturnos, horrorosos e terrestres..
Borgne atua como estivessemos possuidos pelo espirito de Xasthur, fossemos visitados por DarkSpace e subitamente atirados para os ritualismos ancestrais criados por Limbonic Art..talvez a imagem sonora mais insana e ao mesmo tempo mais perfeita para descrever aquilo que se ouve ao longo deste excelente album.
Um enorme salto qualitativo sem duvida alguma, em todos os pormenores aqui escutados, desde a tal envolvencia orquestral até ao som bastante extremo e caotico que o projeta enama de dentro de si, criando esplendorosas estruturas musicais que nos dias de hoje sinceramente já não se vão encontrando muito (pelo menos a soarem com este poder), assim de repente lembro-me de Nazxul ou Ruins of Beverast, que tambem acabam por ser influencias embora num dominio não tão direto como o DarkSpace por exemplo.
Um album obrigatorio, magico, envolvente e sem duvida alguma majestoso como já á muito não ouvia dentro deste estilo e sem sombra de duvida uma das coisas mais fantasticas que vão encontrar neste final de ano no que ao BM de tendencias mais planantes diz respeito...
Surpreendente mesmo...entrem nesta viagem de olhos bem fechados..Borgne vai-vos segurando e preparando para o regresso das outras 3 entidades..e até lá sintam já o clima de horror que antecede cada nova visita de...
http://www.mediafire.com/?czf4ghi5r3hbi3t

Salome-Terminal


Segundo album para os Sludgemonsters Salome e o primeiro para a Profound Lore records.
Dois anos depois do homonimo lancado pela Vendetta, o trio liderado pela vocalista Kat, torna a mostrar o porquê de serem considerados uma das boas bandas do atual movimento Sludge de contornos mais avassaladores e experimentais.
Quem teve o prazer de sentir aquele terremoto que foi o anterior album, certamente não sairá defraudado nem desiludido com este novo conjunto de temas.
Mais longo, mais seco e mais direto, a banda faz juz aquilo que foi desenvolvendo nos dois anos que separaram as duas edições, conseguindo transportar um pouco a sonoridade que desenvolvem ao vivo para este trabalho, alias penso que este material ao vivo deve soar excelente.
Sem muitos floreados ou truques de produção, os temas aqui como escrevi são simples, carregados de muito peso e onde os riffs parecem sair da parede da sala onde nos encontramos a ouvir o album conseguindo criar uma autentica muralha de som que tanto percorre o lado mais duro do sludge como ainda conseguem adicionar um enorme feedback que faz tremer o chão.
Semelhanças com Dark Castle, THOU ou 13 poderão ser constatadas novamente e naturalmente audiveis, mas mesmo assim a banda ainda tem, ou melhor não perdeu aquele som proprio que percorre o lado mais sulista do Sludge e ao qual adicionam a rispidez do Punk-Crust ou até ligeiras influencias em very-slow-motion de Agoraphobic Nosebleed (banda da qual a vocalista tambem faz parte), gerando uma amalgama de sons que se tornam bastante envolventes e nem mesmo aqueles devaneios "dronantes" quase a entrar no noise conseguem tirar esplendor a este trabalho.
Embora direto ao assunto, o album não é de escuta facil, principalmente lá está, quando entram na "trituradora metalica" mais barulhenta ou nos contrastes musicais que nos oferecem ao longo destes sete temas, nas no geral aquilo que a banda aqui produz tem todos os ingredientes para agradar a qualquer fan deste tipo de som, continuando aquilo que desenvolveram no primeiro album.
Só peca mesmo por nos dias de hoje, já não trazer aquele efeito surpresa que obteve o homonimo, mas existem aqui temas impressionantes, pesados, duros como o aço (ex a "The Unbelievers" ou a "Masters Failure") e embora não atinja o brilhantismo do anterior, acaba por ser um album muito bom na minha opinião, é tambem um registo mais negro em comparação direta com o outro e mais feio, muito mais feio que ele.
Resumindo, é mesmo e só para seguidores da banda ou para o pessoal que goste destas novas tendencias hibridas do Sludge...porque se não for assim talvez achem um tremendo aborrecimento e se sintam desgastados ao fim de algumas escutas..
http://www.mediafire.com/?bxuepe73w88g955

Inquisition-Ominous Doctrines of the Perpetual Mystical Macrocosm


Inquisition é um nome que nos ultimos anos conseguiu criar a sua volta uma enormidade de fans e sobretudo um culto que talvez nos dias de hoje não encontre paralelo em mais ninguem, isto se falarmos apenas de BM que se siga as regras ditadas pela 2º vaga nordica.
Goste-se ou não da banda Colombiana, o toque malefico que este duo cria nos seus albuns não deixa nenhum fan de musica extrema indiferente ou a pensar muito..o mais natural é surgirem logo um rol de adjetivos para os tentar louvar..
A prova disso é burburinho que este album se tornou nos ultimos tempos, basta entrar em qualquer blog para ver que o novo trabalho do Dagon e do Incubus é uma das coisas mais aguardadas nos ultimos tempos por uma imensa minoria do fans de BM.
Fazendo eu parte dessa minoria não queria, nem poderia deixar de lado tambem esta celebração...
"Ominous Doctrines of the Perpetual Mystical Macrocosm" é o titulo escolhido para o 5º album da banda e preparem-se que isto vai doer!
Desde logo na nova e mais poderosa abordagem que a dupla dá á sua sonoridade..não que tenham mudado o som, nada disso apenas ganharam muito mais intensidade em todos os sentidos desde a produção aos temas todos eles fantasticos.
È mais uma vez notoria a influencia de Immortal (alias sempre foi), mas o que os destingue da "comedia" nordica é mesmo continuarem a seguir e a fazer musica realmente 666% demoniaca, vinda de dentro e com o carisma que falta aos outros..
O toque mid 90´s é tambem bastante visivel e perceptivel (alias se houve album que me transportou de novo para esses tempos malditos, nas ultimas semanas foi este e o novo de Sargeist), principalmente na aura que o album carrega dentro de si e na forma como nos são oferecidos os temas..
Mas para além deste delicioso aspeto, a banda não se limita apenas e só a mostrar que o BM da decada passada transportava muito mais que mera musica extrema, existem aqui ligeiros toques de "modernidade" que encaixam com um prego ferrugento na madeira usada na crucificação.
Desde logo os ecos dissonantes que esvoaçam dos solos (impressionantes!!) e da guitarra lembrando em determinados momentos uns Glorior Belli e a melodia que dá um toque bem macabro ao album, um exemplo disso mesmo são os sete minutos de duração da soberba "Desolate Funeral Chant" onde a banda americana pega no passado o transforma em presente conseguindo criar uma faixa de futuro, aplicando-se o mesmo resumo|efeito á Luminosa "Command Of The Dark Crown", sendo estas duas das mais expansivas que se ouvem album.
Mas se existe esse lado mais divagante tambem existem autenticos decalques tecnicos saidos do choque entre o seu proprio passado e o de albuns como o Pure Holocaust como o que se vive nas destrutivas "Cosmic Invocation Rites" ou "Upon The Fire Winged Demon", onde a banda quase pega nestes dois mundos e os atira universo fora...neste ponto o album é bem sideral e profundo.
Extremo, sentido e profundamente poetico (a nivel sonoro) este album é de facto surpreendente, surpreende na forma como mostra que o BM sempre foi um estilo musical que vai muito mais além da simples atrocidade dada aos instrumentos ou do simples facto de se mencionar as palavras mais banais do estilo..por vezes a simplicidade envolvida com alma soa muito mais poderosa que milhoes de blasts e cinco ou seis satan´s por cima...
Quarenta minutos de puro prazer demoniaco, cosmico, hipnotico que por vezes transcende a propria musica que criam.
O toque majestoso que funde a melodia com o lado extremo resulta de uma forma sublime mais uma vez, e os curtos samples usados (creio que do filme Inquisicion), apenas adensam ainda mais o clima infernal que isto transmite.
Um album que certamente vai elevar ainda mais alto o já enorme culto que têm no Underground, vamos ver é se isto será compreendido por todos...
"Lucifer Punish Your Enemies, Oh Lord Of The Night, Destroy Them All"
http://hotfile.com/dl/83791343/674734e/Inquisition2010.rar.html

Essenz - KVIITIIVZ - Beschwörung des Unaussprechlichen


Os alemães Essenz apresentam-se aqui com um muito interessante primeiro album.
De quando em vez a cena alemã atira cá para fora coisas deste calibre, e a forma como este trio consegue recriar, transformar e reciclar aquela aura misantropa do BM alemão com o peso do Sludge|Doom é deveras impressionante...
Sem soar basico ou aborrecido em demasia o som de Essenz vai deambulando como fumo por entre um caminho de espinhos que nos vai picando cada passo que damos em frente.
Encontram-se aqui influencias tão dispares que vão desde a crueza bastante influenciada por uns Zoroaster, principalmente da fase Dog´s Magic, como se pode comprovar na "Der Atem Genesis" Black Sabbath (o riff da "Weyzzez Ravshen: Beschwörung" é quase um tributo bem sentido ao legado do Iommi), Sunn O))) e Mayhem.
Aliás neste aspeto a muito propria versão que fazem da "Moon" (original de Mayhem) no final do album acaba mesmo por ser a conjugação de todos estes fatores sonoros que por aqui se vão encontrando ao longo do album, concentrando numa só musica todas as suas influencias acabando por se tornar (na minha opinião claro) uma das covers mais bem conseguidas dos miticos noruegueses.
Mas para além disto convem salientar que a banda tambem consegue pegar no lado mais suicida do BM e envolve-lo no meio deste emaranhado fumarento e muito amplificado de sons extremos, sejam eles mais ambientais (execelentes samples) sejam mais violentos, tudo se consegue encaixar criando um album tão original como cativante mas nada agradavel para se ouvir em familia...
Funeral Doom,Doom,Drone,Sludge,BM tudo se levanta á nossa frente...a assustadora "Lavitae" é isso mesmo um monstruoso animal que nos vai puxando lentamente para os confins do Inferno..tão lentamente que a faixa seguinte (a controversa cover de John Cage "Silenzium 4'33") acaba por ser um profundo momento de reflexão silenciosa daquilo que nos aconteceu até aqui..
Um album que gostei imenso, sobretudo na forma como encaixa todas as peças neste puzzle..é como se nos atassem os pulsos com uma corda e depois nos dessem uma lamina para a cortarmos...o mal é que estamos na mais profunda escuridão e completamente alucinados..estão a ver o final, não?
Muito bom.
http://www.megaupload.com/?d=CMZRDKPN

Crushing Sun-TAO


Os franceses Gojira, Scarve (principalmente estes), os suecos Mnemic, ou os geniais Strapping Young Lad quando editaram os seus primeiros albuns provavelmente nunca pensariam que estariam a levar a cabo uma pequena revolução na musica mais extrema de contornos mais modernos e faceis de engolir (ler cativar).
Nem eles nem ninguem sejamos sinceros, mas aquilo que estas e mais algumas bandas criaram num passado não muito distante continua a ser um enorme foco de inspiração para todo o movimento atual um pouco por todo o lado, sejam na enormidade americana comercial de uns Lamb of God seja num movimento anão como o português.
Neste aspeto é quase impressionante a quantidade de bandas que vão surgindo por ai, algumas com qualidade e outras que mais valia dedicarem-se ao cultivo do nabo...
No caso de Crushing Sun, uma jovem banda vinda do Porto, aquilo que mostram neste seu primeiro album poderá tornar-se em algo interessante para explorar para quem gosta destas tendencias mais modernaças do Metal.
Não que isto seja uma obra-prima, porque não o é, mas existe muita qualidade e em alguns momentos consegue mesmo por de parte alguns dos nomes mais vendaveis deste universo.
Talvez encontrem muito por ai este "TAO" rotulado com metalcore, mas isso acaba por ser um pouco enganador e nada revelador daquilo que Crushing Sun cria, acabando por se tornar a dados momentos"enrotulavel" dentro desse movimento maldito.
Desde logo um certo sabor a Post-Core digno de um album de Textures ou pequenas passagens que remetem para uns Mastodon, embora não tão "brincalhões" com os instrumentos como eles.
Instrumentalmente o album é forte e bastante equilibrado, mesmo usando dois pesos (melodia e "mosh") lado a lado, a banda consegue criar uma ponte perfeita para estes dois mundos opostos.
A voz do vocalista Bruno fica presa no meio deste campo de folhas secas e acaba por ser o elo mais, não direi fraco, mas é demasiado banal e falta alguma diversidade em comparação com aquilo que a restante banda mostra a nivel instrumental.
Bem sei que é natural neste tipo de som esta voz, mas umas nuances diferentes aqui ou além certamente dariam ainda mais vigor a este trabalho, ou então não aplicar tanto aquele growl aos temas, assim quem não ouvir com atenção talvez não fique muito impressionado.
Mas mesmo assim é um trabalho bem acima da media para aquilo que se ouve atualmente dentro deste estilo, forte, vigoroso, intenso e atual, onde a banda até se lança em curiosos e interessantes devaneios como os que se ouvem nas 4 ultimas partes solares "20 to 2200 Hertz","37+ Celsius","Grey Scent" e tudo explodir na bombastica e quase modern DM "Strip and Deceit", que para mim são os temas que atingem a temperatura mais elevada aqui...
Mas resumindo isto acaba por ser uma excelente proposta para se ouvir sem receio ou medo de rotulos.
Metalcore?
Metalcore o caralho isto é Crushing Sun!!
Fica aqui uma dona de casa desesperada transformada em Lois Lane